11 de out de 2009

Enchentes da minha infância

Shot018

Quem nasceu e se criou nos vales do Tocantins, entre Marabá e Tucuruí, deve ter saudades das enchentes que engoliam as ribanceiras, no inverno tocantino.

O Tocantins  era manso. Os habitantes tinham  como  certas as freqüentes cheias e construíam  suas  casas  em  cima  de longos e esguios acapús e assim podiam  desfrutar  as  águas a passear sob suas  moradas.

A cidade se modificava: a maioria dos habitantes da  área que enchia tinha a  sua canoa.

Na enchente as ruas viravam rios e nós remávamos entre os mururés que estacionavam no remanso.

Para  a criançada era a  época mais esperada do ano. Sabíamos que a enchente começava, pelos comentários recebidos de  Marabá  ou cidades acima.

Sabia-se até o intervalo  de  tempo  que uma enchente passava para chegar de Marabá à Tucuruí. Coisas  do  empirismo  popular  mas   que acabava tendo alguma praticidade.

Enquanto os adultos rezavam para não haver enchentes, as crianças e os políticos rezavam para ela ser bem grande.

A meninada ganhava um rio em cada janela da casa e os políticos ganhavam verba para comprar cestas básicas para distribuir entre os seus correligionários: quem era da oposição não tinha direito à benesse.

As águas  da  cheia  não eram sujas  como  hoje. Mantinham-se  limpas  como  era  o  rio  no tempo de estio.

Tucuruí era uma família de não mais que três mil habitantes. Todos  se conheciam.

À  noite, após as canoas voltarem conduzindo seus donos do dia de trabalho, era a hora  das visitas e das conversas à luz das lamparinas.

Eram  noites  frias,  sem   lua  muitas vezes. Porém, nos plenilúnios, tínhamos o  privilégio de poucos mortais: ter à porta uma  belíssima lua cheia a refletir-se nas águas mansas e polpudas do Tocantins.

Férias de fim de ano, para os moleques do Tocantins, era sinônimo de água grande.

O Tocantins tornava-se o nosso brinquedo favorito. Era da rede para a água e da água para a rede.

Nosso dedos e pés viviam engelhados, os beiços roxos e as costas marcadas pelas surras que levávamos, com galho seco de tamarindo, por não querer sair da água.

Adorávamos brincar de pira à noite, dentro d’água.

Durante o dia o sol quente penetrava na limpidez do Rio e podíamos ver nossa presa nadando ao fundo. À noite era escuro e não se conseguia enxergar embaixo da superfície. Prendíamos o fôlego e mergulhávamos rumo aos esteios submersos que sustentavam as casas, onde nos segurávamos para não vir à tona até a última gota de oxigênio nos pulmões.

Todos os anos um de nós era alimento das sucuris que desciam com a enxurrada. A pachorrenta esperava no fundo e agarrava sua presa.

Moleque criado em beira de rio não morre afogado: sucuriju come.

Quando um amigo sumia ficávamos amedrontados por dois ou três dias. Passado o susto lá estávamos nós de novo: não há nada com mais coragem que a inocência.

Somos, a molecada do Tocantins de outrora, uns sobreviventes das traquinagens de então. Os perigos do rio, com certeza, não eram maiores que as suas delícias e o fascínio que ele exercia sobre nós.

Hoje passo meses, até anos, sem mergulhar no Rio Tocantins, mas sempre que o vejo não consigo deixar de enxergar um tempo que já se foi e que não mais voltará.

Rememorando aqueles momentos, vejo o espetáculo que era aquele quadro. Mas, como diz um lindo bolero  do  Lulu  Santos, "nada do que foi será  igual ao que a gente  viu  a  um segundo, tudo muda  o  tempo todo  no  mundo".

A última enchente da minha infância quando se foi, levou consigo as canoas, os compadres, as lamparinas e os plenilúnios. Levou também a minha infância e deixou na espuma do banzeiro os traços do homem que hoje sou.

O Tocantins de ontem não mais existe. Agora, nas enchentes, ele rompe, zangado, as adufas da barragem e nervoso não mais acaricia os acapús que sustentavam as nossas palafitas.

Não sei o porquê, talvez por velhice, ou por desgosto, as ribanceiras dos vales da jusante mergulharam, levando consigo as mangueiras e pataqueiras que nos serviam de trampolim.

À montante da barragem, o Tocantins sumiu e surgiu um oceano de água doce que não tem o mesmo encanto dos vales de outrora, sem as cachoeiras que escalávamos para chegar à Marabá e saltávamos para voltar à Tucuruí.

O meu consolo, quando me vem um certo desgosto pela perda de um passado tão rico em reminiscências é tentar aceitar que perdemos a ternura do rio pela chegada do progresso e do desenvolvimento, através da geração de energia elétrica abundante.

Todavia, quando me vem a rabugice, herdada do tio xindó, fico em dúvida se estamos construindo ou destruindo.

Neste particular, vivo uma crise e uma angústia: aquela, por não saber exatamente o saldo desta conta entre passado e progresso; esta por saber que o nosso passado jaz no fundo da sepultura que o progresso nos impôs.

9 comentários:

  1. DR. PARSIFAL,

    O LIVRO DE MEMÓRIAS FICA PRONTO ATÉ O FINAL DO ANO, OU AINDA NÃO TEM PRAZO PARA PUBLICAÇÃO ? TERÁ MUITAS PASSAGENS DA TUCURUI DE ANTIGAMENTE?

    ResponderExcluir
  2. Não tem prazo para publicar, pois não há pressa para escrever. A parte que fala da Tucuruí de antigamente está praticamente pronta e talvez eu a separe em um livro específico.

    ResponderExcluir
  3. ESTÁ CERTO. VAMOS GUARDAR O LIVRO.
    VEJA SE O SR. ME ESCLARECE O SEGUINTE : O QUE FOI O PROJETO COMERCIAL IMPEX QUE TEVE EM JATOBAL OU JACUNDÁ ENTRE AS DECADAS DE 50 E 60? ERAM EMRESÁRIOS AMERICANOS OU ALEMÃES ?ME LEMBRO QUE, QUANDO CRIANÇA, OUVIA O PESSOAL FALAR DA IMPEX. O PROJETO NÃO DEU CERTO ? JÁ TENTEI CONSEGUIR ALGUMA PUBLICAÇÃO RESPEITO, MAS NÃO ENCONTREI NADA.AGRADEÇO SE PUDER ME INFORMAR.

    ResponderExcluir
  4. A Brasil Impex foi uma empresa alemã, que explorava madeira, principalmente mogno e cedro, nos vales do Rio Tocantins.
    Eles transportavam a madeira pelo rio, em balsas formadas pelos próprios troncos, que eram amarrados uns aos outros e em cima faziam os alojamentos.
    A madeira era embarcada para os EUA e Europa no porto de Belém.
    No final dos anos 60 a Brasil Impex saiu da Amazônia, pois o mogno e o cedro começou a rarear nas margens do rio e não havia a estrutura de estradas para exploração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parsifal Pontes queria que você fizesse pra uma biografia de sua vida todos queremos por favor

      Excluir
  5. DR. PARSIFAL,
    OBRIGADO PELAS INFORMAÇÕES ESCLARECEDORAS A RESPEITO DESTE PEDAÇO, UM TANTO ARIDO DE INFORMAÇÕES, DA HISTORIA DO VALE DO TOCANTINS.

    ResponderExcluir
  6. DR. PARSIFAL,

    NA EPOCA DA E F TOCATINS, OS FUNCIONARIOS RECEBIAM OS SALARIOS EM ESPECIE, QUE ERAM ENVOLOPADOS NO ESC. DE BELÉM E O TESOUREIRO TRAZIA OS HOLERITES PELA LANCHA TOCANVIA, EM VIAGEM EXCLUSIVA, EM QUE NÃO TRAZIA PASSAGEIROS, POR QUESTÃO DE SEGURANÇA DO NUMERARIO.ISTO POSTO, PERGUNTO : COMO ERA FEITO O PAGAMENTO DOS FUNCIONARIOS DO ESTADO NA TUCURUI DE ANTIGAMENTE, QUE NÃO TINHA BANCOS ? VINHA UM FUNCIONÁRIO ESTADUAL DE BELEM FAZER O PAGAMENTO OU IA UMA DIRETORA ESCOLAR DAQUI PARA TRAZER A VERBA ?

    ResponderExcluir
  7. Só havia uma escola estadual em Tucuruí, que era o Grupo Escolar Frei Gil de Vila Nova, na Praça Jarbas Passarinho.
    As professoras do "Frei Gil" ficavam meses sem receber, até que algum funcionário do "Tesouro Estadual" trouxesse o pagamento ou a diretora conseguisse ir buscar em Belém.
    E elas nem faziam greve, davam aula com todo o gosto, e conheciam os alunos, um a um, pelo nome, além de saber os nomes dos respectivos pais também, ou seja: fez traquinagem era surra em casa.

    ResponderExcluir
  8. DR. PARSIFAL,

    AUTENTICOS HEROIS DO SABER OS PROFESSORES E PESSOAL DE APOIO DAQUELES TEMPOS.REALMENTE, SO TINHA O GRUPO DA PRAÇA E A ESCOLA DR. ARQUIMEDES P. LIMA DA E . F. TOCANTINS. EU ESTUDEI NO GRUPO DA ESTRADA ATÉ 1964 E DEPOIS FUI PARA O INST N S CONCEIÇÃO, EM 1965. NO GRUPO DO ESTADO, NA PRAÇA, O FISCAL DE ALUNOS ERA O SEU TIO, O SR. XINDÓ. NÃO FAZER O DEVER DE CASA OU NÃO TER BOM COMPORTAMENTO ERA COMPLICADO PORQUE OS PAIS ERAM COMUNICADOS RAPIDAMENTE.ERA SURRA NA CERTA.NO GRUPO DA ESTRADA, O FISCAL DE ALUNOS ERA O SR. PEDRO MERGULHÃO SOBRINHO.O COLEGIO DAS IRMÃES COMEÇOU A FUNCIONAR EM 1965.A 1A EQUIPE ERA FORMADA PELA IRM. BARROS LIMA, IRM. ROSALI, IRM. LUIZA E IRM. TERESINHA. GRANDE CLASSE DE ABNEGADOS EDUCADORES.OBRIGADO PELA INFORMAÇÃO.

    ResponderExcluir